Pesquisar...
Digite o que procura...
Casa Rampa
São Paulo, SP, Brasil
Autor
: Marcio Kogan
Co-Autor
: Renata Furlanetto
Equipe
: Carlos Costa, Eduardo Glycerio, Eline Ostyn, Fernanda Neiva, Laura Guedes, Mariana Ruzante, Mariana Simas
Ano do Projeto
: 2015
Área do Projeto
: 950,00 m²
Área do Terreno
: 1350,00 m²
Paisagismo
: Isabel Duprat
Interiores
: Diana Radomysler
Estrutura
: Leão E Associados Engenharia De Estruturas
Localização do Projeto

A Casa Moderna que mescla, arte africana, madeira e concreto está localizada em um bairro jardim em São Paulo capital, e foi projetada pelo escritório Studio mk27. Uma das principais características da casa, além da rampa e o rooftop, são os brises da fachada que adentrarem a casa pelo forro dando continuidade as linhas retas e materiais que compõe a arquitetura da casa – Madeira e Concreto.

Pelo arquiteto: Uma importante coleção de arte africana repousa sobre o móvel de madeira na sala da Casa Rampa. Os proprietários pretendem converter o lugar, futuramente, em uma fundação cultural e as peças antigas, reunidas nas últimas décadas, determinaram então o partido arquitetônico da residência localizada em um calmo bairro jardim na cidade de São Paulo: o uso dos espaços sociais revelam as máscaras africanas, em uma experiência expositiva delicada, na qual a arte se mistura com objetos cotidianos e a vida doméstica se funde com as obras sem a sensação de se habitar um museu.

Uma rampa de 25,50 metros de comprimento – conectando o térreo da sala com o primeiro andar dos quartos, onde ficam também os escritórios – organiza o percurso arquitetônico interno e permite observar espaços de diferentes perspectivas, Essa circulação entra os pisos é feita de forma suave, como um interlúdio entre a área coletiva e íntima.

A arquitetura da Casa Rampa formula uma radical continuidade espacial entre o interior e o exterior não apenas através do grande pano de caixilhos de vidro deslizantes – que podem ser completamente abertos, conectando a sala com o jardim -, como também por meio da coerência no uso do mesmo material tanto dentro como fora. A madeira da fachada dobra-se em direção ao espaço interior, se tornando o próprio forro que, por sua vez, se dobra novamente no hall da rampa para constituir uma fachada interna.

Essa construção tridimensional de faces, uma fita de madeira, determina a estrutura e a própria volumetria precisa da casa: uma caixa – feita com madeira brasileira local – projetando-se e balanço para fora de paredes laterais densas de concreto aparente. Pilares racionalmente distribuídos pelo espaço interno completam o sistema estrutural e contribuem para viabilizar os grandes vãos de até 9,70 metros. construindo o pano de fundo da rampa – e de toda a sala -, outra parede de concreto cria um ambiente austero e minimalista feito com materiais brutos e naturais, A madeira do forro contribui também para completar a sensação espacial de um ambiente acolhedor na sala.

A varanda com seus 4 metros de largura – sob o balanço e de fronte para o jardim – funciona como uma gradação entre o exterior e interior, constituindo um espaço de estar coberto e aberto, agradável para ser usado em dias quentes. Essa solução dialoga com a tradição da arquitetura brasileira, tanto colonial como moderna, que utilizou, historicamente, espaços análogos para transições espaciais.

A relação com a cultura arquitetônica brasileira aparece também nos painéis tipo-camarão de madeira da fachada. Feitos com pequenos brises soleil de 2 cm de largura e 7 mm de espaçamento, esses elementos permitem o sombreamento dos quartos, com a manutenção da circulação de ar, O resultado são espaços internos agradáveis termicamente durante todo o ano.

A decoração e o desenho de mobiliário foi pensada como parte fundamental da arquitetura. O móvel das mascaras africanas na sala, por exemplo, teve de contar com projeto estrutural especifico para viabilizar seu vão igual ao dos pilares, de 9,70 metros. As cadeiras, poltronas e mesas misturam peças antigas e novas de designers brasileiros locais – como Joaquim Tenreiro e Sergio Rodrigues – e internacionais – como Vladimir Kagan e George Nakashima – com o objetivo de evidenciar a arquitetura da casa e as peças de arte.

O projeto da Casa Rampa privilegiou a continuidade espacial entre interior e exterior, o uso preciso de materiais naturais e brutos e, sobretudo, a possibilidade de expor de forma delicada a belíssima coleção de arte como verdadeiros elementos arquitetônicos para organização dos percursos. Os espaços – livres e contínuos – podem ser facilmente reorganizados no futuro para transformar a casa em uma instituição dedicada a coleção.

Fonte: www.studiomk27.com.br

subscribe decostore

Receba o conteúdo decostore, é gratis!

Inspirações para você e sua casa!

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notifique me
Posts Relacionados